Quer nos visitar? Somos uma família!

Avenida Novo Osasco, 700 - Osasco - SP // +55 11 3609-1668

Dança e Adoração

dancers

Introdução

A dança sempre esteve presente na cultura dos diversos povos. Desde os tempos antigos a dança e a música foram parte dos costumes da humanidade. Vemos a dança retratada no cotidiano do povo de Israel, quando Miriã, irmã de Moisés, sai dançando e celebrando com as mulheres após a passagem pelo Mar Vermelho. A dança típica israelense ainda é cultivada pelo povo judeu.

Em ocasiões festivas, os povos sempre incluíam a dança e a música. Após uma colheita, havia festa e dançavam; após uma vitória em uma batalha, dançavam; com o nascimento de um filho, dançavam; na coroação de um novo rei, dançavam. A dança sempre destacou a celebração, a felicidade por algo bom que acontecera.

O povo de Israel, que servia a um único Deus, o Senhor, dançava em agradecimento pelos Seus grandes feitos e por vitórias alcançadas. Havia aqui um diferencial em relação aos outros povos que dançavam para os seus deuses pagãos.

Com o afastamento da verdade e do Deus verdadeiro, a dança foi utilizada para fins que não eram de celebrar ao Senhor. O inimigo deturpou esta arte com o pecado, trazendo a sensualidade, a exaltação da beleza do corpo, o exibicionismo. A essência de alegria e celebração da dança foi sugada pelo pecado.

O cristão parou de dançar

No decorrer da história do cristianismo, a liturgia de culto vai sendo estabelecida, e acontece a divisão do sagrado e do comum. Sendo assim, o que é considerado sagrado pela Igreja é bom e o que é comum se torna mal.

Acontece a desvalorização da dança como algo que poderia ser para o engrandecimento de Deus. A dança passa a ser apenas representação cultural a ser apreciada, mas não praticada pelos cristãos.

A arte e a Igreja

Com a Reforma Protestante, muitos avanços artísticos aconteceram A Reforma trouxe uma maior liberdade de criação e expressão. Na música, por exemplo, surgem grandes compositores (Martinho Lutero, Bach, Händel, Vivaldi, Charles Wesley). Passam a criar obras que pudessem servir tanto a Deus quanto ao avanço cultural. O canto simples gregoriano passa a harmonias mais elaboradas. Muitas obras clássicas criadas para a Igreja são apreciadas hoje por diversos tipos de pessoas, tenham elas fé ou não.

Mas os conceitos sobre a aceitação da dança no louvor não foi tão rápido. Uma cultura enraizada por séculos não se modifica de repente.

A música fazia parte da igreja, de forma padronizada. Aos poucos foi-se inovando, mas provocou grandes questionamentos em cada época. Já a dança, apartada da igreja, foi mantida por séculos como algo restritamente carnal, para diversão e prazeres.

No século XX, a dança foi recebendo influências pejorativas, onde o foco se torna o destaque do corpo e da sensualidade.

No final do século XX inicia-se um movimento nas igrejas evangélicas de resgate da arte para Cristo. Todo tipo de arte passa a ser compreendido como parte da criatividade dada por Deus ao homem, que foi deturpada, no decorrer da história, pelo pecado.

 

O resgate da dança para a adoração

  1. O que é arte? A dança é arte!

Execução prática de uma ideia.

Fonte: Dicionário Michaelis Online

Arte é a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética, feita por artistas a partir de percepçãoemoções e ideias, com o objetivo de estimular esse interesse de consciência em um ou mais espectadores, e cada obra de arte possui um significado único e diferente.

Arte é um termo que vem do Latim, e significa técnica/habilidade.

Atualmente, arte é usada como a atividade artística ou o produto da atividade artística. A arte é uma criação humana com valores estéticos, como beleza, equilíbrio, harmonia, que representam um conjunto de procedimentos utilizados para realizar obras.

Fonte: significados.com.br

            Para os povos antigos, a arte caminhava aliada à religião e à ciência. Encontramos a arte no teatro, na dança, na música, nas pinturas, no artesanato, na moda, nas esculturas, na literatura, na poesia.

A dança é uma expressão artística e os bailarinos são artistas.

 

  1. Poder que envolve as artes -I Co 14.24-25

Mas se entrar algum descrente ou não instruído quando todos estiverem profetizando, ele por todos será convencido de que é pecador e por todos será julgado, e os segredos do seu coração serão expostos. Assim, ele se prostrará, rosto em terra, e adorará a Deus, exclamando: “Deus realmente está entre vocês!” Portanto, que diremos, irmãos? Quando vocês se reúnem, cada um de vocês tem um salmo, ou uma palavra de instrução, uma revelação, uma palavra em uma língua ou uma interpretação. Tudo seja feito para a edificação da igreja.

O foco da dança é, primeiramente, adorar. Mas não podemos deixar de lado a importância que a dança tem para tocar vidas.

Inicialmente, a dança deve tocar o bailarino. Jamais comece a dançar se não sentir que o fará do profundo do seu coração. É necessário desprender-se de si, para dedicar sua dança ao Senhor.

A coreografia não deve prender o coração do bailarino. Os movimentos não devem ser “maquiados”, “enfeites de altar” ou “preenchimento de espaço”. É necessário sentir que este movimento vai sair do profundo do seu ser para o Senhor. O coração do bailarino tocado se torna apto para ser cheio do Espírito Santo e transmitir isto para a igreja. O movimento deve vir de dentro para fora, tomar o entendimento, contagiar todo o seu corpo na adoração.

Se o bailarino não for cheio do Espírito Santo, não poderá ser um profeta numa dança espontânea.

Mas, aberto o coração, Deus pode fazer coisas lindas nas vidas que estiverem assistindo como diz em I Coríntios “Assim, ele se prostrará, rosto em terra, e adorará a Deus, exclamando: Deus realmente está entre vocês!”.

            É isto que queremos ver acontecendo através de nossas danças na igreja: vidas tocadas, transformadas, abençoadas! Precisamos de bailarinos apaixonados pelo poder que a dança pode exercer na transformação de vidas!

 

  1. 3.    A linguagem da dança cristã

Isabel Coimbra, líder de dança do Diante do Trono, explica que a dança cristã é um texto. Sendo um texto, pode ser “lido” por quem assiste.

Sendo assim, o bailarino precisa saber o que está dançando (segundo Katia Marin, do Estúdio do Corpo, “dança com entendimento”).

A montagem de uma coreografia deve conter um texto a ser visualizado pela plateia que a assiste. Sendo assim, deve ter um começo, um meio (desenvolvimento) e um fim. A dança cristã sem mensagem não pode tocar corações. Dançar apenas por se movimentar, não justifica haver dança na igreja.

Assim também, a dança espontânea é um texto do bailarino adorador para com Deus, ou do bailarino “profeta” para com a igreja. Isabel Coimbra afirma que não existe dança profética, mas existe o profeta. O bailarino pode, cheio do Espírito Santo, profetizar e ministrar sobre a igreja durante uma dança espontânea.

A coreografia e a dança espontânea devem ser inspiradas pelo Espírito Santo.

 

  1. 4.    O caráter do artista cristão

O caráter expressa uma marca: a marca de quem você é. Como cristãos, devemos parecer com Cristo, sendo assim nosso caráter deve expressar a marca de Cristo.

Deus está sempre trabalhando em nós, estamos sempre “em obras”, mas, feita a “marca” não tem como dizer que não fomos mudados, pois esta marca exprime algo profundo. Para trabalhar em nós, Deus nos passa pelo fogo, pela dor… Sendo assim, o caráter não é algo superficial.

Quando nos tornamos mais parecidos com Cristo, as pessoas passam a reconhecer quem somos e como agiríamos em determinadas situações, pois a nossa marca é o caráter de Cristo.

O bailarino que atua na igreja, em destaque, deve estar disposto a entrar neste processo de transformação para se parecer cada vez mais com Cristo. Parecidos com Cristo, podemos refletir a Sua glória e ajudar na transformação de outras vidas.

Sem o caráter de Cristo refletido em nós, o “texto” da nossa dança se torna vazio.

Como cristãos, atuantes em um departamento importante da adoração na igreja, devemos ser íntegros e de caráter irrepreensível. Devemos ser na igreja e fora dela, a mesma pessoa. Ser a mesma pessoa íntegra quando ninguém está te vendo, porque DEUS te vê a todo momento.

Dilema atual: ter um excelente artista ou um artista espiritual? O correto é: um excelente artista espiritual! Ao selecionar bailarinos para o seu grupo, foque nas duas qualidades: boa técnica e espiritualidade.

A Bíblia nos dá exemplo de um excelente artista: Bezalel. Ele sabia trabalhar com ouro, prata, madeira, bronze, pedra. Mas a Bíblia diz que ele era cheio do Espírito Santo em sabedoria, entendimento e conhecimento. Os artistas da igreja devem ser talentosos e cheios de Deus!

 

Cuidados:

  • Ser humilde – Exemplo de Davi, que era rei, mas um com o povo. Diótrefes prejudicava a igreja por querer ser o melhor de todos (3 Jo 9). “Ministério não é um concurso de popularidade” (RoryNoland).
  • Seja servo, concentre-se nas pessoas. O ministério é para abençoar as pessoas e não exaltar o dom artístico. Faça como Jesus: ele olhava a multidão e se compadecia dela.
  • Trabalhe em equipe – comece olhando para as pessoas que trabalham com você no ministério.
  • Lembrar que a mensagem que quer transmitir através da dança é mais importante do que o mensageiro.
  • Examine sua motivação: dança para agradar a Deus ou agradar a si mesmo?
  • Lute contra o egoísmo: o amor não busca os seus interesses.
  • Cuide do ministério de dança que o Senhor lhe confiou como algo muito precioso. Não menospreze o que Deus lhe deu!
  • Tenha limites saudáveis: nem todo o tempo é para a dança! Tenha tempo para Deus, para cultuar, para fazer parte de um grupo organizado, cuide de sua família.

 

 

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O MINISTÉRIO DE DANÇA NA IGREJA AVIVAMENTO DA FÉ

 

→ A dança é para o louvor e adoração a Deus (Sl 51.17 – sacrifícios agradáveis a Deus; II Sm 6:21 – “Davi respondeu: – Eu estava dançando em louvor ao SENHOR”; Sl 149.3 – “Louvem a Deus, o SENHOR, com danças e, em seu louvor, toquem pandeiros e liras”).

 

Isto exige que tenhamos um cuidado especial na seleção dos louvores, na escolha do figurino, na montagem da coreografia, na consagração diária etc. Se o foco da dança na igreja não for o SENHOR, de nada adianta dançar. E para complementar esta adoração, a coreografia deve trazer uma mensagem para aqueles que assistem. O povo precisa ser “ministrado” pela canção e pela coreografia.

 

FIGURINO

A Igreja Evangélica Avivamento da Fé tem um padrão de conduta e alguns itens precisam ser lembrados ao montar o figurino para a dança:

- Para as mulheres, sempre o figurino é composto por SAIA LONGA. Não é permitido o figurino de calça para mulheres;

- Sob a SAIA (para as mulheres), é necessário o uso de proteção para que as pernas não fiquem à mostra. É indicado o uso de calça legging e uma pantalona sobre ela;

- A bailarina dança SEM maquiagem (batom, blush, delineador, lápis) e as unhas não devem estar pintadas. Acessórios de joias e bijuterias também não são permitidos;

- O uso do collant é essencial para não mostrar o abdômen, porém sobre ele deve haver outra peça para disfarçar as curvas do corpo feminino;

- Jamais usar collant sem manga e cavado nas costas ou com decote (cubra o seu corpo, na dança o que os irmãos verão: apenas a mensagem e a coreografia);

- Para o homem: sempre calça e uma roupa confortável que não marque o corpo.

 

COREOGRAFIAS

- Tome cuidado com os passos escolhidos, pois não devem incluir o balançar dos quadris ou outros movimentos sensuais;

- Priorize movimentos que expressem adoração, alegria, júbilo, choro, pranto, clamor, devoção;

- Antes de montar a coreografia, pense em que mensagem você quer transmitir;

- Escolha os louvores com cuidado: nem sempre uma música legal, conseguirá transmitir uma boa mensagem, pode ficar apenas numa simples agitação ou ser repetitivo;

- Os homens devem ter movimentos masculinos, que expressem a personalidade do homem criado por Deus.

 

PERFIL DO(A) BAILARINO(A) ADORADOR(A)

- Participativo na igreja, dos grupos organizados, dedicado no serviço ao Senhor, frequente nos cultos, submisso ao pastor e aos líderes (o bailarino, antes de tudo faz parte de uma igreja e de um grupo organizado – estas são as prioridades);

- Ter um talento para a dança, ter ritmo (não tente forçar o dom);

- Ser fora da igreja o mesmo cristão que mostra ser dentro dela;

- Seguir e obedecer às regras do ministério quanto aos usos e costumes;

- Ser dedicado nos ensaios e no seu aperfeiçoamento técnico;

- Manter uma vida com o Senhor, na leitura da Palavra e na fidelidade;

- Ter um caráter cristão.

 

PERFIL DO LÍDER DO MINISTÉRIO DE DANÇA

- Submisso;

- Servo;

- Em aliança com o pastor e com a liderança (quer seja da mocidade ou das senhoras);

- Dedicado;

- Com caráter cristão;

- Que seja um exemplo para os liderados;

- Tenha uma boa palavra de instrução;

- Saiba conduzir bem os relacionamentos entre os integrantes do grupo e instruí-los na vontade do Senhor.

 

 

Miss. Juliana Bezko – Pedagoga, Psicopedagoga Clínica, Líder no Ministério de Dança Gesto de Amor, fundado em janeiro de 2002. Contato: julianabezko@hotmail.com

 

BIBLIOGRAFIA

NOLAND, Rory. O coração do artista. Construindo o caráter do artista cristão. W4 Editora.

HORTON, Michael S. O cristão e a cultura. A orientação bíblica para o crente. Editora Cultura

Cristã.

Bíblia de Estudo NTLH. SBB.

http://mdatransformandovidas.blogspot.com.br

 

julianaMiss. Juliana Bezko

Líder da SEMEIAFÉ, pedagoga e psicopedagoga clínica

Comentários estão desabilitados.